Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Sobrevive-se

Sobrevive-se

03
Jul21

Uma questão de azar.

Costa

Na televisão, neste momento, um secretário de estado insurge-se, a voz uma oitava acima, e repete o mantra de um inaceitável aproveitamento político de um acidente em que o ministro Cabrita "teve o azar de estar envolvido". O acidente provocou uma vítima mortal. O ministro "teve azar". E a vítima?

01
Jul21

Os três "D"

Costa

Há, então, um documento - parece que precioso - chamado Certificado Digital Covid da UE. A sua preparação e disponiblização foi anunciada e saudada como uma grande medida no sentido da recuperação, por quem dele fosse titular, de uma ansiada liberdade. E isso com o paternal e extremoso reconhecimento do poder de turno. Desse poder - o presentemente de turno - a coisa até se percebe: a criação de uma coisa que substantivamente é mais um passaporte; na verdade é até um passaporte interno (mais um documento, mais um papel, mais uma burocracia, requerido para se fazer coisas  - como exercer a liberdade de circulação - que até há algum tempo se poderiam fazer sem ter que prestar contas adicionais a um qualquer "grande-irmão"), só pode povoar sonhos felizes de um governo e sua clientela que se vão radicalizando à esquerda.

Mas, concluído (concluído até ver, claro, com base na verdade de hoje) o processo de vacinação, lá se foi ao "site" do SNS seguir os passos necessários para obter o tal certificado. Foi fácil e foi rápido. Não sei se o será para um cidadão não familiarizado minimamente com computadores, internet e modernos telemóveis, já que a sua obtenção pressupõe tal familiarização e a posse - pelo menos o fácil acesso - de tudo isso. Mas como, presumir-se-á, quem não preencha esses requisitos conta pouco, ou viaja pouco, ou frequenta pouco esses locais de cuja frequência há saudades, ou tudo isso em simultâneo, a coisa é irrelevante e manifestamente não parece inquietar quem manda, quem opina e quem noticia.

Ora o texto do certificado digital inicia-se assim: "Este certificado não é um documento de viagem. (...)". De facto aquela frasezinha inicial dá para tudo: a sua aceitação irrestrita, a sua aceitação com condições associadas, a sua pura e simples rejeição. Não garante o que seja; fundamentalmente desresponsabiliza quem o emita quanto à concretização ou não das garantias que, tão triunfalmente, se anunciou que ele traria e não permite ao seu titular qualquer presunção do que seja. Para já e pelo menos, na Alemanha não dispensa a quarentena. E quanto a deslocações dentro do território nacional, também afinal parece que de bem pouco - se para alguma coisa - serve: não pelo menos, por exemplo e como já anunciado, para obviar ao recolher obrigatório que aí vem de regresso.

Ou seja, tivemos por aí, por uns dias (ainda há pouco, num noticiário televisivo), o louvor entusiástico da coisa: na sua abnegada gestação e na sua disponibilização. Coisa que parece afinal valer bem pouco.

Mais um sinal de que os três "D" de outros tempos  - e que se sucederam aos famosos três "F" - estão de facto de volta. Mas agora, dir-se-ia, como Desrespeito, Demagogia, Desorientação.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub