Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Sobrevive-se

Sobrevive-se

13
Mar23

Da passiva submissão.

Costa

Ensina-nos a república (deliberada inicial minúscula) que somos cidadãos. Cidadãos, essa expressão máxima de igualdade, de dignidade que séculos da vil condição de súbdito - esse horror monárquico -, ensina-nos, negaram. Cidadãos, desde esse momento alto de civilização, civilidade e respeito por um "due process" que foi a revolução francesa (e vou mantendo as iniciais minúsculas).

E um tipo conforma-se, tende a aceitar a coisa como boa, prefere até não pensar muito (não vá a sua consciência incomodá-lo insuportavelmente), aceita essa espécie de verdade. Habitua-se, vive com ela, enfim. Mesmo sabendo que o Leviatã não é exactamente, e usando de eufemismo, pessoa de bem.

Depois lá vem a cartinha das finanças. Uma cartinha das finanças na caixa do correio é o suficiente para desencadear sério fenómeno de arritmia (ou coisa afim: de médico só tenho o que têm os loucos). Um cidadão, digamos, comum, nunca está certo de estar em dia com os seus impostos, taxas e restantes obrigações fiscais. Nem que apenas declarativas. E sabendo-se que nem a presunção de inocência, esse sagrado - e seguramente republicano - princípio, se aplica perante o fisco e que, mesmo estando "coberto" de razão, aí impera o solve et repete, o acto de "destacar pelo picotado" toma uma eternidade. Ao longo da qual a hipótese da ruína nos surge especialmente provável.

Mas não era de ruína, o caso. Apenas o corolário de um pequeno episódio burocrático perfeitamente desproporcionado face ao também pequeno valor em causa (valor que o cidadão pretendia auferir em perfeita legalidade e que afinal - e em regras de elementar racionalidade gestionária, dessas que o leviatã manda reiteradamente às urtigas - acaba por não compensar o trabalho do cidadão para tanto; o do cidadão e o do leviatã. Mas esse tem batalhões de gente para tal efeito e convém ao menos dar-lhes um simulacro de utilidade).

E lá estava na cartinha, na cartinha deste tão republicano fisco, operado por cidadãos e decerto ao serviço de cidadãos, o cidadão identificado - diga-se que sem surpresa, pois tal fórmula lhe é academicamente conhecida de há muito e por ela está de há ainda mais tempo habituado a ser tratado - como "sujeito passivo".

Sujeito passivo

Viva a república!

 

2 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub